domingo, 11 de outubro de 2009

deixe de desculpas, seja mais feliz


As pessoas inventam mil desculpas para não adotar um bichinho. ‘Não é da raça que eu quero’, ‘não sei a procedência, pode ter alguma doença’, ‘já vem adulto, não dá pra criar do jeito que eu quero’, ‘vai fazer muita bagunça’, e tantas outras mentiras vazias que só servem para apaziguar a consciência de quem no fundo, no fundo, sabe que vai deixar de fazer uma coisa muito boa por puro capricho.


‘Não é da raça que eu quero’ é uma das minhas despreferidas. Como assim? Você deve achar bonito aquele pessoal que encomenda bebê ao geneticista, pra ter olho assim, cabelo assado, pra ser a cara de não sei quem. Junto com ‘não sei a procedência, pode ter alguma doença’ então, é risível! O seu filho biológico, que você sabe a procedência, não pode ter doenças? Se fosse assim criança nenhuma adoeceria, não existiria hospital infantil. E o gato persa com pedigree, da minha amiga, que morreu aos 8 meses de ataque cardíaco? Ele era tão puro, tão puro, com a procedência tão nobre, que o coração era cheio de defeitos genéticos. E o York de outra amiga, também puro, que já ‘veio de fábrica’ com demodécia?


O que eu mais adoro desmistificar é ‘já vem adulto, não posso criar do jeito que eu quero’. Eu adotei um gato macho adulto de rua, e ele é um lord. Já chegou aqui em casa e foi direto pra caixinha. Obedece aos comandos de ‘não’, não sobe onde não deve, fica quietinho pra tomar banho, é meeeeeeeega carinhoso, super caprichoso. Enfim, eu o chamo de ‘gato perfeição’. E já veio pronto. Adotei outra gatinha quando era bem miúda, desmamada antes do tempo. Desde pequena a gente tentou de tudo para educar, borrifava aguinha nela quando subia onde não devia, soprava na carinha quando tentava roubar nossa comida, tinha comandos específicos e consistentes. Ela é intreinável, não tem medo de nada, mastiga tudo que vê, adora ficar de castigo (ninguém merece!). Quem acaba dando banho nela é o outro gato, o que já veio adulto. Mas também é meeeeeeeega carinhosa, o que compensa todos os outros defeitos.


E a bagunça? Bem, se você não quer bagunça não tenha animais, e não tenha filhos. Melhor, more num hotel com camareira, e perca a melhor coisa do dia: chegar em casa e ser recepcionado por aqueles seres(inhos) de alma totalmente pura, que passaram o dia todo lhe esperando pra subir no seu colo, lamber seu rosto e lhe dar o amor mais incondicional que você já teve.


=^.^= =^.^=

4 comentários:

Ila disse...

Que lindo! Assino embaixo!
AAA!!!! Eu quero um gatoooo!!!!!

HUMPFF!

Bisoussssss!

Tu me manques beaucoup, beaucoup!!!!!

Beatriz disse...

feliz de vc ter atualizado seu blog ;D

Ana Corina disse...

AMEI, vai pro Mãe de Cachorro, beleza? Boa trippppppp! Beijo.

Claudete disse...

Gostaria de ter essa foto dos meus"netos" para colocar no meu orkut, no álbum "minha família". Pode ser? Afinal, vó de gato também é vó, né? Bjus.