This is default featured post 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Coisas que aprendi

Depois de mil anos sem postar, ao contrário da maioria dos blogueiros, não vou fechar a portinha. Vou é mudar a ‘linha editorial’ do blog.


Agora vou postar sobre Coisas que Aprendi, ou seja, que estão me fazendo DESEMBURRECER.


E também sobre o que não sei, pedindo que alguém me ensine.

Pelo menos por enquanto me parece mais rápido, fácil, e original.

Coisas que realizei/aconteceram comigo desde o último post


  • A lot;
  • Agora trabalho na Secretaria de Relações Internacionais da universidade, com intercâmbios acadêmicos de graduação;
  • Realizei meu sonho de conhecer o Canadá;
  • Comecei a comer saudavelmente e me exercitar com prazer;
  • Participei de um evento sobre Internacionalização do Ensino Superior e uma Capacitação para funcionários de gabinete de relações internacionais (RI);
  • Fui ao Festival Brasileiro da Cerveja, em Blumenau e comi/bebi o delicioso almoço harmonizado do meu amigo chef/sommelier Guilherme Schwinn (@gastrobirra), que me ensinou o que é cerveja;
  • Fui pra um hotel de praia daquelas promoções tipo Pobre Urbano, e entediada voltei antes pra casa;
  • Voltei a estudar francês, mas por conta própria;
  • Recebi um e-mail da Apple fazendo um recall do meu IPod Nano 1.ª geração, e tudo indica que vão trocar por um novinho. Eu curto a maçã;
  • A lot.


Coisas que aprendi ultimamente:


Depois do Twitter ficou difícil uma (ex) preguiçosa manter um blog;


Descobri que seguir um blog por causa de sorteio é roubada. Não ganhei nada e depois não soube como parar de seguir – Alguém me ensina?;


Preciso urgentemente trocar o visual do blog, tá mega 2006;


Preciso revisar os blogs linkados;


Sou totalmente viciada em Pinterest;


AMO o Canadá, J’aime Montréal. Só isso já vai dar um post futuro do que aprendi lá;


Nasci pra fazer exercício em casa, não fazia nada pq odeio academia;


Não é preciso malhar mais de 20 minutos para emagrecer (Mythbusters, né?), nem fazerum milhão de repetições para tornear os músculos. E mulher que pega pesado não vira o Schwarzenegger pré- governator. A ciência do Fitness evoluiu horrores;


Comer saudavelmente e se exercitar faz a gente ficar muito mais feliz (dãaaaa, gênia);


Amo cerveja, e meu tipo preferido por enquanto são as Trippels, que por enquanto só sei que são originalmente produzidas por trapistas belgas. No Brasil, a da Wäls mata a pau;


Javaporco é um bicho nascido da cruza de porca com javali;


Javaporco confitado significa que ele foi cozido na própria gordura (tipo o @tellinarcizo na praia);


É possível amar o trabalho;


Internacionalização da educação significa MUUUUUITO mais do que promover intercâmbio;


‘Reitor’ pode ser traduzido como ‘Rector’, ‘Chancellor’, ‘Vice-Chancellor’, ‘President’, e em algumas faculdades pequenininhas pode ser ‘Dean’;


A palavra ‘taxa’ em Portugal diz-se ‘Propina’;


Em Portugal, os gabinetes de RI não são coordenados por professores como no Brasil, são gestores (servidores administrativos) que fazem tudo acontecer. Lá os administrativos não são considerados de uma casta inferior aos docentes;


Querem afogar uma parte da Amazônia (Belo Monte) e me cobrar por isso;


Não tenho vocação para férias em praia, meu negócio é urbano mesmo;


O francês é uma língua malvada como o português, tem equivalentes (+-) ao nosso isso, isto, esse, essa, este, esta, aquela...um horror!;


É possível comer no RU (Restaurante Universitário pois ele anda bem melhor do que era na minha época de aluna. E pago só R$2,90 (aluno continua pagando R$1,50, eu acho incrível);


Eleição pra Reitor aqui agora usa urna eletrônica do TRE.


Por hoje é só, pessoal!

Até a próximaJ

sábado, 30 de abril de 2011

Feminismo pra quê?



[Se este carro fosse uma mulher teria o bumbum beliscado (Fiat)/ Se esta mulher fosse um carro, ela lhe atropelaria (anônima/todas nós?)]


Neste humilde post vou tentar explicar a razão pela qual o Feminismo existe, e pq eu sou feminista.

O que eu escuto no background qd me dizem que o feminismo não tem validade:

"Sensible and responsible women do not want to vote. The relative positions to be assumed by man and woman in the working out of our civilization were assigned long ago by a higher intelligence than ours". ~Grover Cleveland, 1905

"I listen to feminists and all these radical gals - most of them are failures. They've blown it. Some of them have been married, but they married some Casper Milquetoast who asked permission to go to the bathroom. These women just need a man in the house. That's all they need. Most of the feminists need a man to tell them what time of day it is and to lead them home. And they blew it and they're mad at all men. Feminists hate men. They're sexist. They hate men - that's their problem". ~Jerry Falwell

"[Feminism is] a socialist, anti-family, political movement that encourages women to leave their husbands, kill their children, practice witchcraft, destroy capitalism and become lesbians." ~Pat Robertson

"Give a woman a job and she grows balls". ~Jack Gelber

"A vingar esse conjunto de regras diabólicas, a família estará em perigo (..) Ora, a desgraça humana começou no Éden: por causa da mulher. Todos nós sabemos, mas também em virtude da ingenuidade, da tolice e da fragilidade emocional do homem" ~Juiz Edilson Rumbelsperger Rodrigues, sobre a lei Maria da Penha

"El feminismo en su forma leve es un severo trastorno narcisista y egocéntrico de la personalidad. Es vaginismo mental, generocentrismo, agresión, genocidio, histerismo, odio a la raza humana y a la naturaleza. (...)Hay quien podría hablar mucho sobre como se han convertido durante 40 años de dictadura feminista a jovencitas cariñosas y pacíficas en hienas sarnosas y agresoras a las que les sale espuma por la boca. En cómo se les ha lavado el cerebro y en como se les intenta lavar. Tampoco en esto tenemos nada que ver los hombres porque es obvio que nos gustan femeninas, dulces, princesitas, entregadas y vestidas de mujer".~blog revolución antifeminista

"Sou antifeminista. Vou ficar no pé dela para ser fiel. Acho que mulher tem que saber o que tem para o almoço e, mesmo cansada, ir jantar com o cara. Em troca, eles levam o carro para consertar."~Débora -gênio-Secco dando conselho pra amiga Juliana Paes

"Deus preparou o homem para estar com o leme na mão. Porque ele é mais forte, tem raciocínio mais frio. A mulher tem mais capacidade de olhar em volta, ver o todo e desenvolver a sensibilidade para aconselhar. A mulher pode dirigir tudo, mas o lugar dela não é com o leme.”~Maria Mariana

No entanto, eu sei que a esmagadora maioria das pessoas que diminuem o feminismo não são ideologicamente, e de fato, anti-feministas. Elas apenas desconhecem o que é o movimento, ou o que ele busca, ou o que ele já conseguiu. Elas apenas reproduzem discursos que ficam numa camada superficial da realidade delas. Não é por maldade, só não pensaram muito nas ramificações do assunto. Muitas delas são como eu, que tive que ler e refletir bastante para chegar à conclusão de que SIM, sou feminista. SIM, o feminismo é não somente válido como necessário. Oxalá não o fosse.



Na verdade, não existe apenas Um feminismo. São muitos. Assim como são muitos os pensamentos e as pessoas. O meu, por enquanto, é esse:

"Feminism is a belief that although women and men are inherently of equal worth, most societies privilege men as a group. As a result, social movements are necessary to achieve political equality between women and men, with the understanding that gender always intersects with other social hierarchies". --Estelle Freedman

"Feminismo é uma crença de que apesar de homens e mulheres terem inerentemente o mesmo valor, a maioria das sociedades privilegia os homens como grupo. Como resultado, movimentos sociais são necessários para conquistar igualdade política entre homens e mulheres, com o entendimento de que gênero sempre se relaciona com outras hierarquias sociais." (tradução pessoal)

Só isso. Temos todos o mesmo valor, e enquanto as sociedades não pensarem e não agirem conforme esta premissa, o movimento feminista vai continuar trabalhando.



Enquanto as mulheres continuarem recebendo menor remuneração pelos mesmos trabalhos, enquanto elas temerem andar sozinhas a noite, enquanto o estupro não for criminalizado em todos países, enquanto mulheres continuarem sendo apedrejadas por adultério ou estupro, ou esterilizadas pelo estado sem seu consentimento, enquanto meninas continuarem sendo mutiladas, e esposas espancadas... o feminismo precisará existir, precisará insistir.



O q eu tenho a dizer para o Movimento feminista?

Obrigada, mulheres e homens que lutaram, sofreram e às vezes até morreram para que eu pudesse: ler e estudar; exercer uma profissão outra que mãe, prostituta, ou religiosa; escolher se e com quem quero casar; se casada, manter o meu nome; me divorciar, podendo ficar com a minha parte dos bens e sem perder o direito aos filhos; votar; usar contraceptivo; se sofrer violência doméstica, ter o agressor removido da minha casa e preso; se for estuprada não precisar provar que sou casta, ou ter testemunhas, para que o estuprador seja condenado; não ser esterilizada contra a minha vontade; não ter que aguentar em silêncio se assediada pelo chefe; se ficar viúva, não precisar viver de pensão do estado ou mendicância... e tantos outros direitos que tenho hoje. Não posso me esquecer que cada um desses direitos foi conquistado pelo suor, pela palavra, pelo grito. Não posso me esquecer que MUITAS mulheres, no mundo todo, não gozam desses mesmos direitos.

E é principalmente por elas que eu me sinto no dever de ser feminista.

Imagens 'emprestadas' do Sociological Images

sexta-feira, 4 de março de 2011

O verdadeiro jogo da vida


SPENT é um jogo que recomendo a todos (que entendem inglês). Ele simula a vida e as opções de alguém que perdeu o trabalho e a casa (por causa da crise nos EUA), tem uma família e apenas US$1000 no bolso.

Como já disse antes, sempre fiquei intrigada pela vida de moradores de rua/homeless. Sempre pensei em como seria fácil chegar ao ponto de perder tudo e me juntar a eles. Qualquer um pode ficar nessa situação. Quem pensa que não, é pq só pensa nas suas habilidades e formação, e esquece os fatores externos. Uma crise, uma catástrofe natural, ou até um vício ... muita coisa pode tirar nosso mundo do eixo. Eu tive um primo morador de rua, tenho uma amiga que quando criança catava comida no lixo e mendigava, e outra cuja mãe morou debaixo da ponte. Não é algo tão distante quanto gostaríamos de pensar.


Fico realmente impressionada com a raiva com que algumas pessoas (privilegiadas) falam de auxílios como bolsa-família. Do alto do meu confortável pedestal social, eu não me considero capaz, ou no direito, de julgar o quanto uma outra pessoa precisa ou merece um auxílio do governo. Aliás, eu fiz mestrado com bolsa da Capes, e sem a bolsa não o teria feito. Mesmo assim, tenho certeza que minha bolsa é muito menos importante ou necessária do que a dos beneficiados pelo bolsa-família.

De volta ao SPENT,

Eu não passei do primeiro passo, que é arranjar emprego (por falta de experiência ou aptidão para as vagas disponíveis), mas aqui algumas telas do jogo, que eu chupinzei do Sociological Images:







Isso nunca aconteceria com você, certo?

terça-feira, 1 de março de 2011

Uma outra mobilidade é possível?








Cartazes do movimento pró-ciclismo Massa Crítica/Critical Mass no Brasil, nos EUA, na Nova Zelândia, na Espanha...



E a Massa Crítica é esmagada pela violência, intolerância, indecência... nas ruas de Porto Alegre.


Percebam que antes de começar a atropelar, o Golf (que estava parado) faz ameaça de que vai acelerar. Um ciclista bem perto do carro, de roupa vermelha, percebe e sai da frente assustado. E aí começa o strike.



(Este vídeo postado no Youtube por 'praqmelissa' me pareceu uma versão curtinha e mais bem contextualizada, mas tem filmagens mais completas no site. Não reparem na tradução. O sobrenome do atropelador é Neis, e não Neif.)



Será que este movimento, tão positivo e necessário na atualidade, já sofreu atropelamentos assim em outros países? Aceito updates dos (2 ou 3) amigos leitores desse bloguinho.



Meu consolo é que o MP/RS pediu prisão preventiva do criminoso, por tentativa de homicídio qualificada. Clamamos por Justiça.



A justificativa dele:





DEPOIS que ele atropelou, TALVEZ fosse linchado mesmo. Então esta justificativa - com muita, muita tolerância de nossa parte - pode até ser entendida para a FUGA. Mas, para o atropelamento em massa e proposital não existe explicação.

Para uma leitura mais ligada na lei: Soberbas Amenidades

HOJE:


" O grupo Massa Crítica de Porto Alegre realiza nesta terça-feira (01), a partir das 18h30min, um protesto contra a violência do trânsito. Ciclistas e apoiadores reúnem-se no Largo Zumbi dos Palmares. O protesto é um ato de solidariedade ao grupo de ciclistas atropelado na última sexta-feira (25), na Cidade Baixa, na capital gaúcha" (EcoAgência notícias ambientais).


.





domingo, 27 de fevereiro de 2011

violação em nome da 'lei'

A notícia nem é nova, mas se eu não postar vou me sentir incompetente.

Policial acusada de receber suborno é filmada sendo despida à força em frente aos seus colegas homens. Com 2 policiais mulheres na sala, que poderiam conduzir uma revista que não violasse o direito e a dignidade da suspeita, os delegados preferiram o caminho da humilhação e da violência. Seis policiais homens e duas mulheres participaram desta infâmia. Punidos? Somente a suspeita, expulsa da polícia sem julgamento.

Acontecimentos assim me confirmam:

Ser feminista não é uma escolha, é uma necessidade. Quando eu não precisar mais ser feminista, terei prazer em não sê-lo.

Quando eu vi o vídeo completo me senti assistindo a um estupro coletivo. Mas, ao invés de armas para acuar a vítima, estes violadores usaram distintivos e algemas. Chorei e fiquei fisicamente nauseada, tive que esperar um tempo para conseguir almoçar. Na minha opinião, qualquer pessoa que não se sinta assim, mulher ou homem, deve ter traços psicopatas.

Comentários muito melhores que os meus nos blogs da Michele e da Lola.

Reportagem da Band.

Vídeo completo no Youtube:



A gente paga o salário de gente assim. Confortante, né?

Quando eu crescer...

...e desemburrecer, vou ter um blog assim:


Congrats, Michele...

gênero

número

grau

=^.^=

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

It's Okay to be a Cat Guy + Slooooow cat



I gotta say: I LU U UVED THIS AD.

Sou obrigada a dizer: eu AME E EI esse anúncio.

It's Okay to be a (crazy) cat lady, right?

Qtos gatos fazem vc passar de catlover a crazy cat lady?

Espero que mais de 3.

Anyway, sente a 'paudurecência' deste vídeo:



Thanx pro cat guy da minha vida, q me mostra esses vídeos enlouquecedores.

=^.^= =^.^= =^.^=

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More